Paraná: Primeiro lote de lenha é retirado de rios do Litoral

www.aen.pr.gov.br

O Instituto Ambiental do Paraná (IAP) emitiu na quarta-feira (28) o
primeiro Documento de Origem Florestal (DOF) que permite o transporte e a
comercialização de material lenhoso que está sendo retirado das margens
do rio Jacareí, na região do distrito de Floresta, em Morretes. Os
troncos de árvores foram carregados pela água da chuva, que provocou
enchentes e deslizamentos de terra no Litoral do Estado em março.

O primeiro caminhão, carregado com de cerca de 280 metros cúbicos de
lenha, saiu do distrito de Floresta nesta quinta-feira (30) com destino a
uma fábrica de papel da região que está interessada em ajudar a
população local. O lote é composto de 267 metros estéreos de lenha, 10
metros cúbicos de garuva, 5 metros cúbicos de ipê e 10 metros cúbicos de
canela-preta.

A renda obtida com a venda desse material será revertida ao Provopar
Estadual e investida no atendimento às famílias que ficaram em situação
de vulnerabilidade social nos municípios de Morretes, Antonina,
Paranaguá e Guaratuba, em decorrência da chuva e dos deslizamentos.

“Esse é uma alternativa inteligente e de baixo custo que o governo
encontrou para transformar uma situação crítica, provocada por um
acidente natural, em uma forma sustentável e responsável de ajudar as
famílias afetadas”, diz a presidente do Provopar estadual e secretária
da Família e Desenvolvimento Social, Fernanda Richa.

Além de receber material de construção, móveis, colchões e cobertores,
para que possam retomar suas vidas, as famílias terão acompanhamento do
Provopar em um programa de geração de renda e também para o
desenvolvimento educacional dos jovens.

O trabalho de retirar e cortar esse material foi iniciado há um mês. O
processo é delicado, devido às condições do solo, e depende das
condições do clima e da mão-de-obra. O IAP acompanha todo o processo e é
responsável por dimensionar o material lenhoso e gerar o Termo de
Apreensão para posterior emissão do DOF. O documento permite o
transporte e revenda.

De acordo com o presidente do IAP, Luiz Tarcísio Mossato Pinto, existem
alguns lugares, como o distrito de Floresta, em que não será possível o
retorno das famílias, devido aos riscos para a segurança da comunidade.

A estimativa inicial é recolher aproximadamente 42 mil metros estéreos
de material lenhoso acumulado ao longo dos leitos dos rios Jacareí e
Miranda, em Morretes. De acordo com o levantamento da Defesa Civil, a
retirada é necessária porque o material acumulado obstrui o trajeto
natural dos rios e as estradas de acesso a localidades mais isoladas na
região.

O trabalho está concentrado principalmente ao longo do leito de rios,
que são terras públicas e foram demarcadas pela Defesa Civil por
apresentar riscos de novos acidentes. Nas áreas de propriedades
particulares, os proprietários podem usar a madeira para consumo
próprio, mas estão impedidos de vender. O material também pode ser doado
ao Provopar.

CONVÊNIO – Esse procedimento de reaproveitamento do material só é
possível porque em abril foi firmado um convênio com a Secretaria de
Estado do Meio Ambiente, Instituto Ambiental, Instituto das Águas do
Paraná e Provopar – Ação Social, pelo qual o IAP ficou responsável pela
fiscalização da operação de limpeza e retirada do material lenhoso
nesses locais. “É preciso garantir que não ocorram mais desmatamentos
além daqueles ocorridos como conseqüência dos deslizamentos de terras”,
afirma Luiz Tarcísio Mossato Pinto.

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: